menu
05 August, 2018

“Formas” por Fernando Bussacos

Fazia algum tempo que as fotos do Fernando estavam editadas e os áudios arquivados para que o texto viesse a ser escrito algum dia. Nessa semana quando comecei a ouvir a conversa gravada lá no início do ano, consegui perceber como as pessoas influenciam na intimidade que temos com o nosso próprio corpo e a forma como relacionamos com ele (algo que deveria ser normal e intenso, porque é de fato a única coisa que temos):


“Fui uma criança gordinha e afeminada, isso por si só já chamava atenção e o resultado disso era ser discriminado pelas outras crianças, me tornando durante muito tempo alvo das pessoas e de reclusão interna. Minha autoestima foi lapidada com os comentários que eu ouvia pelas costas “o Fernando nunca será magro” ou “o Fernando nunca terá esse corpo””.


Aos poucos fui crescendo e seguindo o rumo da vida com a noção de ser gordinho e o conceito de o “gordinho não ser bonito”; isso acontece de todas as formas inimagináveis as pessoas não se cansam de te lembrar que você deve se encaixar dentro do padrão musa de verão.

E a vamos crescendo deixando de amar a nós mesmos sem querer, porque se não tivermos um autoconhecimento e aceitação própria fica bem mais fácil deixar ser influenciado pela massa esmagadora de pessoas que estipulam um tipo estético de beleza.


“Em determinado momento comecei as pessoas começaram a me elogiar e me sentir bem comigo mesmo, porque havia emagrecido devido aos exercícios físicos que estava fazendo na época, isso durou até quando comecei a namorar e me descuidei novamente, voltando a engordar. Quando terminei o namoro voltei a usar aplicativos de relacionamento e o mesmo discurso bateu novamente com o “gordinho não é aceitável””.


Os momentos que são só nossos perdem os valores e as intensidades, no tempo em que temos tempo para amar nossos corpos na frente de um espelho dentro de um quarto, somos castigados por pessoas que nem estão ali, olhamos nossas gordurinhas e pensamos em formas de acabar com elas. A nossa privacidade e intimidade é roubada por outras pessoas.

Hoje tenho a concepção diferente do meu corpo, mas ainda assim é difícil mudar o pensamento completamente, às vezes não me sinto bem passando a mão no meu próprio corpo ou quando estou me olhando no espelho.


As pessoas te julgam falando que não é sobre ser gordo, mas sobre “ser saudável”.


Sempre tive vontade de fazer um ensaio de nu artístico, mas isso nunca me passou pela cabeça porque desde sempre imaginei que apenas pessoas com o corpo escultural poderiam participar de coisas desse tipo e agora consigo perceber que esse é um passo fundamental para que eu possa me aceitar, para que eu possa estar confortável comigo e fugir do padrão, para que eu possa ser quem nasci para ser: eu”.



formas /sf/
1.configuração física característica dos seres e das coisas, como decorrência da estruturação das suas partes; formato, feitio.

Fotografia: Igor Medeiroz

No comments:

Post a Comment

Older Post Home